26 setembro 2023 0 158

Daniella Pierson: Transformando um Jornal Informativo por E-mail em um Negócio de US$ 40 Milhões por Ano

No mundo de hoje, projetos pessoais estão se tornando mais comuns à medida que as pessoas buscam complementar sua renda ou transformar seus projetos de paixão em empreendimentos lucrativos. No entanto, poucos trabalhos paralelos alcançam o nível de sucesso que o trabalho paralelo de Daniella Pierson alcançou.

Com apenas 27 anos de idade, Daniella Pierson transformou seu jornal, The Newsette, em um negócio multimilionário que gerou uma receita de mais de US$ 40 milhões em apenas um ano. Ela também lançou outro jornal de sucesso, o Wondermind, em 2022.

Neste artigo, vamos nos aprofundar nas estratégias que Daniella usou para transformar sua atividade secundária em um negócio próspero. Sua história é uma inspiração para qualquer pessoa que queira transformar sua atividade paralela em um negócio de sucesso e sustentável.

Agora, antes de prosseguirmos com este artigo, certifique-se de não perder nenhuma de nossas atualizações, que incluem novos estudos de caso, guias, publicações e entrevistas repletas de fatos e estatísticas comprovados de empreendedores de marketing on-line de sucesso que podem ajudá-lo a iniciar e expandir seu negócio on-line. Inscreva-se em nosso canal no Telegram e siga nossa página no Twitter hoje mesmo!

Vamos nos aprofundar neste artigo...

Começando

Daniella Pierson criou o The Newsette, um jornal diário que cobre as últimas notícias sobre beleza, moda e negócios, em 2015, durante seu segundo ano na Universidade de Boston.

Ela sempre achou que era uma aluna mediana e esperava que trabalhar em um projeto de paixão pudesse ajudá-la a conseguir um emprego ou estágio depois de terminar a faculdade. Como adorava revistas, ela decidiu criar sua própria publicação de notícias.

Quando Daniella enviou a primeira edição de seu jornal, chamado The Newsette, apenas 11 pessoas o leram. Havia vários erros de digitação, o formato era um modelo do Mailchimp que ela havia personalizado e a página de destino era um site do Wix que ela havia criado. Apesar de tudo isso, ela sentiu que havia encontrado algo que a apaixonava.

Embora fosse estudante em tempo integral, Daniella acordava às 6h da manhã todos os dias para criar sua edição diária do The Newsette. Ela trabalhava até as 9 horas da manhã entre as aulas e depois voltava a trabalhar à noite, das 20 horas à meia-noite. Ela também trabalhava nos finais de semana, mas somente durante o dia. Os primeiros 100 assinantes vieram de sua própria rede social.


Em vez de pedir diretamente às pessoas que se inscrevessem, Daniella criou um programa de embaixadores não remunerados para incentivar os assinantes a trazer leitores adicionais. Ela dizia às pessoas que, se indicassem 10 pessoas, elas poderiam se tornar embaixadoras oficiais e adicionar o nome ao currículo ou ao LinkedIn. Os embaixadores recebiam incentivos como camisetas.

Daniella dizia aos possíveis novos leitores e clientes que era estagiária no The Newsette porque não tinha confiança para dizer que era seu trabalho paralelo. Ela até achava que usar a palavra "CEO" parecia bobagem quando começou. Entretanto, sua estratégia de marketing agressiva, que incluía enviar mensagens para amigos de amigos no Facebook, valeu a pena. No final de seu primeiro ano, o The Newsette tinha 14.000 assinantes.
Marcando o negócio de jornais informativos

De acordo com Daniella, o Newsette é apenas um boletim informativo e nada mais. Embora a marca tenha um site, Pierson e sua equipe estão trabalhando para ocultá-lo e, eventualmente, removê-lo. O site contém apenas alguns artigos e entrevistas antigos.

Os criadores do jornal informativo da Newsette coletam seu conteúdo principalmente de outros sites, com links para editoras como People e Vogue. Embora ocasionalmente publiquem entrevistas e recursos originais, o foco principal é fornecer aos leitores recursos úteis, em vez de gerar seu próprio material.

A Newsette também está presente no Instagram e no Twitter, mas seu conteúdo consiste principalmente na republicação de conteúdo de boletins informativos ou no compartilhamento de publicações de seus colegas. Não há podcasts, Patreons ou canais Discord associados à marca. Ao manter uma abordagem minimalista, Pierson conseguiu usar seus recursos com mais eficiência. Uma equipe pequena pode tentar fazer várias coisas adequadamente ou se concentrar em poucas coisas e se destacar nelas.

Crescimento do jornal

Quando o The Newsette foi lançado pela primeira vez, os jornais informativos online ainda eram uma ideia nova e havia poucos recursos que Daniella Pierson pudesse usar para obter orientação. Como resultado, ela recorreu a podcasts e blogs relacionados a marketing para obter mais conhecimento sobre como aumentar o número de assinantes e o engajamento.

À medida que o The Newsette continuava a crescer, ela começou a entrevistar figuras públicas com um número considerável de seguidores, inclusive Selena Gomez. Essas conexões desempenharam um papel importante ao levar seu boletim informativo para a grande mídia.

Transformando o Newsette em um negócio

Nos três primeiros anos da The Newsette, Daniella era a única pessoa de sua equipe e ganhava a maior parte do dinheiro por meio do marketing de afiliados. Ela trabalhava com marcas menores e compartilhava links para seus produtos em seu jornal, além de contar com anúncios e parcerias com marcas.

Quando Daniella era estudante, ela usava o RewardStyle para ofertas de afiliados, mas não faz mais esse tipo de parceria. Em vez disso, a The Newsette recebe solicitações de propostas e e-mails das principais marcas e também faz algumas ações de divulgação por conta própria.

Uma grande oportunidade para a The Newsette foi quando a Ulta Beauty, uma grande marca, entrou em contato com Daniella e lhe ofereceu um contrato de seis dígitos. A publicação cresceu sem capital de risco, em parte graças aos leitores que trabalhavam para a Ulta e defendiam a The Newsette. Daniella também entrou em contato com outras marcas por meio de e-mails frios e aproveitando seu público leitor.

Com o crescimento da The Newsette, Daniella ganhou confiança e se tornou uma líder forte. Ela credita à publicação o fato de tê-la ajudado a superar desafios de saúde mental e dificuldades de aprendizagem, além de ter lhe dado coragem para fazer as coisas do seu próprio jeito.

Depois de três anos, Daniella conseguiu contratar um assistente e, em cinco anos, tinha uma equipe editorial. Hoje, ela gerencia uma equipe de mais de 50 funcionários em tempo integral.

Daniella acredita que os boletins informativos são uma ótima maneira de as pessoas compartilharem suas histórias e criarem relacionamentos com seu público. Diferentemente das publicações nas mídias sociais, os boletins informativos são mais íntimos e pessoais quando chegam à sua caixa de entrada.

Conselho de Daniella

Seu conselho para aqueles que desejam criar um jornal informativo de sucesso é saber claramente por que você quer fazer isso. Você está tentando se tornar um especialista em uma determinada área ou talvez esteja esperando transformá-lo em um contrato de livro ou iniciar sua própria empresa de mídia? Depois de conhecer seus objetivos, você poderá descobrir como envolver seu público e que tipo de conteúdo incluir.

Se a sua meta é usar o jornal como forma de promover outro negócio, talvez não seja tão importante aumentar rapidamente a lista de assinantes. Em vez disso, você deve se certificar de que está enviando e-mails ao seu público de forma consistente. Mas se você quiser ganhar dinheiro com seu jornal, é claro que deve querer que o maior número possível de pessoas se inscreva!

Daniella também enfatizou a importância de se destacar e se estabelecer como uma autoridade em sua área. Ela sugere concentrar-se em um nicho específico, ser único e sempre agregar valor ao seu jornal.

Conclusão

Foi só depois de se formar que Daniella começou a procurar empresas para anunciar em seu boletim informativo. De acordo com ela, os ganhos aumentaram significativamente de US$ 1 milhão em 2019 para US$ 7 milhões em 2020 e US$ 40 milhões em 2021, graças a parcerias com empresas como Bumble, Fidelity, Old Navy, Twitter e Walmart.

Ela entrou na categoria Mídia da lista Forbes Under 30 em 2020, aos 24 anos de idade. Atualmente, seu boletim informativo gratuito é assinado por mais de 500.000 pessoas, a maioria mulheres entre 18 e 35 anos, e oferece uma mistura de notícias e links para artigos sobre tópicos como produtos de beleza natural.

O que acha do artigo?