25 janeiro 0 377

Empress: a Hacker Feminina que Deixa as Grandes Corporações de Jogos sem Dormir

Nos últimos anos, a pirataria de jogos tem passado por uma crise. Há menos cópias piratas dos principais jogos em circulação, em grande parte devido ao sistema de proteção Denuvo.

A invasão desse sistema leva semanas para os hackers, o que torna economicamente inviável investir muito tempo e esforço para contorná-lo. A única esperança da comunidade de jogos parece ser a sensacional cracker de jogos conhecida como Empress, que declarou uma guerra total contra a Denuvo e os gigantes do setor de jogos. E parece que ele ou ela (quem quer que seja) está ganhando.

Mantenha-se atualizado com as últimas notícias, artigos, guias e estudos de caso sobre marketing de afiliados. Entre no nosso canal do Telegram hoje mesmo!

Quem é a Empress?

Com uma infinidade de postagens provocativas em seu canal privado do Telegram, Empress conseguiu gerar um interesse significativo na comunidade de jogos em todo o mundo. Por motivos compreensíveis, a hacker não revela sua identidade, mas afirma ser uma russa de 20 e poucos anos.

"Ah, sim, eu não mencionei isso antes, mas sou completamente russa, e é por isso que estou 100% protegida de qualquer idiota que tente me censurar", diz uma das postagens de Empress no Telegram.

Ocasionalmente, a Empress fornece alguns detalhes sobre si mesma que ajudam a construir uma imagem mental, aquela que ela quer retratar. No entanto, todas as postagens da Empress são exclusivamente em inglês.

"Tenho 23 anos e sou MUITO bonita. Mas não me importo com minha 'aparência'. Eu me importo com o que eu 'faço'", revelou em uma entrevista à Wired.

Há várias versões sobre quem realmente se esconde por trás do pseudônimo Empress. Alguns acreditam que se trata de um grupo de hackers, enquanto outros afirmam que é um homem. Por exemplo, em meados de agosto de 2023, surgiram informações on-line sugerindo que se tratava de um hacker da Bulgária que operava com o nome de Voksi. Essa hipótese foi apresentada pelo grupo de hackers Skidrow, com o qual a Empress está envolvida há muito tempo em uma guerra de informações. Entretanto, essa versão foi rapidamente criticada e desmascarada. O próprio Voksi declarou que, depois de ser detido pela polícia búlgara, ele se envolveu em atividades completamente diferentes e está levando uma vida relativamente tranquila, especialmente porque está sob rigoroso controle das autoridades.

Talvez o incidente mais significativo da desanonimização da Empress tenha ocorrido quando ela revelou publicamente sua aparência usando um personagem criado no jogo Nioh 2. De acordo com as alegações da Empress, ela tem a seguinte aparência:

[Imagem de uma personagem com heterocromia e cicatrizes no rosto].

A garota enfatizou que as cores diferentes dos olhos, a heterocromia, são suas características reais, enquanto as cicatrizes em seu rosto são apenas detalhes artísticos para a representação da personagem.

Enquanto uma parte da comunidade de jogos acredita que o pseudônimo Empress esconde um grupo inteiro de hackers composto por homens adultos, outros jogadores dizem que não se importam com quem seja. O principal é que a "Empress" está fazendo uma boa ação para as pessoas comuns que nem sempre podem comprar os melhores jogos, especialmente na Rússia. Ambos os pontos de vista são lógicos em sua própria maneira.

Início e Motivações da Empress

A Empress não revela onde ou quando começou a hackear jogos. Em uma entrevista à Wired, ela compartilhou que, em 2014, teve um sonho estranho. Correntes de dígitos estavam enroladas em torno do jogo Dark Souls 2 e, em seu sonho, ela percebeu que se tratava de um sistema de proteção antipirataria. Desde então, Empress tem se interessado em saber como os editores de jogos protegem sua propriedade intelectual e como é possível contornar programas especiais. Em geral, a hacker diz que se interessa por jogos desde a infância e os considera um lugar onde se pode fugir da realidade.

"Acho que o principal problema é que as pessoas não consideram os videogames como o auge e o potencial máximo da arte", disse Empress em uma entrevista à Wired.

Outro incentivo para a Empress hackear jogos foram os problemas com o Test Drive Unlimited 2. O jogo era protegido por um programa chamado SecuROM. Em algum momento, o estúdio de desenvolvimento fechou, e os jogadores que compraram o Test Drive Unlimited 2 não puderam acessá-lo por um tempo. A Empress estava entre eles e encontrou uma versão hackeada.

Foi quando ela percebeu que os jogos não pertencem realmente aos jogadores que possuem versões licenciadas. Se um estúdio decidir repentinamente abandonar um projeto, os compradores terão sérios problemas de acesso. Também foi comprovado que os sistemas de proteção incorporados ao código do jogo tornam os próprios jogos mais lentos, impondo sérias restrições aos jogadores. Além disso, devido à sobrecarga dos servidores dos programas antipirataria, os usuários que compraram jogos no dia do lançamento muitas vezes não conseguiam ativar suas cópias por várias horas.

[Imagem de Test Drive Unlimited 2]

Com a introdução do sistema de proteção Denuvo, esse problema não foi resolvido. Por exemplo, em novembro de 2021, os servidores desse programa ficaram sobrecarregados, impedindo que jogadores de todo o mundo acessassem Guardians of the Galaxy, Football Manager 2022, Mortal Kombat 11, Total War Warhammer, Shadow of the Tomb Raider e Yakuza: Like a Dragon por mais de 10 horas.

"A única maneira confiável de manter o jogo saudável e vivo é transferir o poder das editoras para os piratas", disse Empress em uma entrevista à Wired.

No entanto, o principal problema dos sistemas de proteção de jogos é o controle por parte das editoras. O acesso a suas plataformas deve ser obtido e suas recomendações de uso devem ser seguidas. Ao fazer isso, a plataforma de jogos obtém os dados pessoais dos jogadores. Sem mencionar a redução de 10 a 20% na taxa de quadros devido ao uso de sistemas de proteção, especialmente o Denuvo. A própria Empress tem algo a dizer sobre isso:

"O motivo pelo qual a Ubisoft, a EA e outras empresas nunca removem o Denuvo de seus jogos é simplesmente porque elas ADORAM se sentir superiores. Eles gostam de considerar seus PORCOS sob o controle deles. E ainda pior".

Parece que a garota assumiu uma missão digna. Em uma entrevista de 2021, ela declarou:

"Eu sempre fico na ZONA até esmagar suas patéticas prisões de quebra-cabeça".

Ao mesmo tempo, para Empress, continua sendo um mistério por que os jogadores do mundo todo toleram a ditadura das editoras e a impossibilidade de jogar no modo off-line ou compartilhar uma cópia comprada com um amigo. Talvez os motivos da garota sejam mais bem ilustrados pelas palavras a seguir:

"O desejo de preservar o que você 'compra' NUNCA deveria ser um 'crime'."

Por Que Empress Já Faz Parte da História dos Jogos

Desde o final da década de 1980, as editoras de jogos têm usado programas de proteção contra piratas (DRM). Foi mais ou menos na mesma época que grupos de geeks de computador começaram a competir para hackeá-los. Gradualmente, isso se tornou uma espécie de esporte. A pirataria de jogos de computador provavelmente teria continuado em sua forma inalterada por muito tempo se, em 2014, o DRM chamado Denuvo não tivesse aparecido. Ele foi então integrado ao simulador de culto FIFA 15. Com o passar do tempo, esse DRM começou a ser usado mais ativamente, especialmente nos principais jogos.

Os criadores do Denuvo usaram uma abordagem fundamentalmente nova na operação do programa. O software não mais limitava os recursos do jogador, mas apenas o impedia de alterar arquivos para contornar a proteção. As primeiras versões do Denuvo foram hackeadas com sucesso pelos grupos de hackers 3DM, CODEX, CPY, PARADOX e Steam Underground. Eles não cobravam dos usuários, tornando os jogos crackeados disponíveis gratuitamente. Mas, gradualmente, a proteção da Denuvo se tornou mais sofisticada. Hackear jogos tornou-se mais desafiador, e os grupos de hackers começaram a reconhecer gradualmente que isso era economicamente inviável.

Mas então a Empress apareceu, marcando sua chegada ao crackear o SoulCalibur 6 em março de 2020. Sua abordagem difere significativamente dos métodos dos grupos. Em primeiro lugar, a Empress se comunica ativamente com o público, permitindo que os jogadores escolham os próximos jogos que ela vai crackear. Em segundo lugar, a garota aceita doações para uma carteira de criptomoedas, algo que ninguém fez antes dela. Ela explica isso:

"É claro que eu tenho outro emprego. A quantidade de tempo que dedico [ao hacking] depende do volume de doações recebidas. As regras da 'Cena' sobre não aceitar dinheiro e doações são um dos maiores obstáculos que afastam os hackers. Se você vai fazer esforços tão INSANOS, não vai fazer isso sem mais nem menos."

Acontece que a Empress é um pouco como um Robin Hood dos jogos, pegando jogos das editoras e dando-os a pessoas comuns.

[Frame de SoulCalibur 6]

Em relação aos grupos de hackers da velha guarda que trabalhavam de graça, mas raramente se comunicavam com usuários comuns e não atualizavam versões de crack, Empress tem o seguinte a dizer:

"Tudo o que eles faziam era uma forma de se 'expressar' e elevar seu ego falso e sem sentido."

Até o momento [setembro de 2023], a Empress é a lutadora mais bem-sucedida do mundo contra a Denuvo. Ela deu aos gamers acesso ilimitado a vários jogos fantásticos. Entre suas vitórias:

  • Doom Eternal;
  • Watch Dogs: Legion;
  • Assassin's Creed: Valhalla;
  • Yakuza: Like a Dragon;
  • Resident Evil 8: Village;
  • Deathloop;
  • Dead Island 2;
  • Hogwarts Legacy;
  • AEW: Lute para sempre;
  • Far Cry 6;
  • Metro Exodus Enhanced Edition;
  • Marvel's Guardians of the Galaxy;
  • Mortal Kombat 11;
  • Mass Effect Legendary Edition;
  • Red Dead Redemption 2;
  • Anno 1800.

Curiosamente, a garota conseguiu crackear Red Dead Redemption 2 em apenas alguns dias e depois admitiu que o fez a pedido dos fãs, embora ela mesma "odeie" o jogo. Com relação ao crack de Anno 1800, Empress comentou:

"Ninguém mais está fazendo isso porque requer foco insano, dedicação à causa e paixão sem fim. Só consegui fazer isso depois de vários meses de pesquisa. Foi um INFERNO".

[Frame de Red Dead Redemption 2]

Os Altos Conflitos na Internet da Empress São o Segredo da Popularidade

"The Empress" também é conhecida por uma série de escândalos de alto nível que, às vezes, são discutidos na comunidade de jogos não menos do que seus hacks. Por exemplo, seu tópico no Reddit foi bloqueado porque a garota não escondeu sua atitude negativa em relação às minorias sexuais. Em uma de suas postagens, ela também afirmou que os homens nasceram apenas para serem escravos das mulheres. Em resposta ao bloqueio do Reddit, Empress criou um canal no Telegram, acompanhando-o com a seguinte postagem:

"Finalmente alcançamos nosso objetivo, meu exército. É hora de boicotar esse Reddit patético, criado para gatinhos, e ficar com o produto [Telegram] da minha terra natal. Ah, eu não disse isso antes, mas sou completamente russa, e é por isso que estou 100% protegida de qualquer canalha que tente me censurar."

Empress também odeia os reempacotadores por simplesmente pegarem os jogos que ela crackeou e incorporá-los em suas distribuições. A hacker afirma que não se envolve em cracking por ego, mas os gamers ainda precisam saber quem faz todo o trabalho. Em 3 de dezembro de 2020, o dia do lançamento de Immortals Fenyx Rising, a "Empress" crackeou o jogo e o disponibilizou publicamente. Os fãs saudaram esse evento com furiosos aplausos virtuais. Mas, aos poucos, ficou claro para todos que a hacker havia limitado a possibilidade de obter o crack, que só poderia ser baixado após 24 horas. Foi assim que ela protegeu seu trabalho dos reempacotadores.

[Frame de Immortals Fenyx Rising]

No início de 2021, a Empress e a conhecida repacker FitGirl estavam trocando insultos on-line. E em março, a hacker anunciou que havia sido presa. Ela então acusou os reempacotadores de trazerem a polícia até ela, identificando e fornecendo seu endereço às autoridades. No entanto, depois de algum tempo, Empress conseguiu fugir da responsabilidade. Ela publicou uma mensagem agradecendo a seu advogado, às leis russas e pedindo desculpas aos reembaladores e a todos que ela havia ofendido.

Em agosto de 2023, a Empress criticou o grupo de hackers SkidRow por crackear o jogo indie Fe. Ela alegou que a própria proteção Denuvo permaneceu intacta e que a entrada foi feita usando elementos básicos do mecanismo Unity. Em resposta, os hackers do SkidRow publicaram uma longa mensagem com insultos. Foi nessa mensagem que surgiu a versão de que a Empress era, na verdade, o hacker búlgaro Voksi. Esse caso foi amplamente discutido em plataformas de jogos e na mídia.

A Mensagem do SkidRow

Não cobrimos aqui todos os escândalos envolvendo a Empress. Todas as suas postagens podem ser encontradas no canal do Telegram da garota. Nos últimos anos, todos os escândalos envolvendo a Empress chegaram à mídia e foram amplamente discutidos por seus fãs. Muito provavelmente, este não será o último.

Conclusão

Pode-se discutir por muito tempo sobre a ética das atividades da Empress. Por um lado, ela dá a muitos gamers a oportunidade de jogar sem restrições nos dispositivos de sua escolha. Por outro lado, tudo isso é, obviamente, criminosa, pois a pirataria priva não apenas os estúdios sem alma, mas também os profissionais talentosos do setor criativo que criam e incorporam toda essa beleza nos jogos, escrevem roteiros ou aperfeiçoam códigos. Uma coisa é certa: as batalhas on-line entre hackers e reempacotadores de jogos às vezes se assemelham a histórias de detetive no estilo cyberpunk, e é muito interessante acompanhá-las.

O que acha do artigo?