31 março 2022 0 205

Nick Shackleford: de um Jogador de Futebol a Gastar Mais de US $100 Milhões no Facebook Ad

Nick Shackleford é o cofundador de uma agência de marketing de e-commerce americana chamada Structured Social. Ele gastou pessoalmente mais de US $100 000 000 no Facebook ads, sua agência gasta mais de US $15 000 000/mês, o que é insano. Ele é um mestre absoluto quando se trata de veicular anúncios no Facebook.

Nick tem sido o homem por trás de algumas das maiores campanhas publicitárias do Facebook, como a promoção global da Apple do iPhone 7, iPad Pro e iWatch. Ele também foi o proprietário e o homem por trás da loja de e-commerce que popularizou os fidget spinners em 2017 e, atualmente, ele administra sua própria agência de marketing Structured Social e o Geek Out Affiliate Mastermind.

N este artigo, estamos compartilhando seu caminho de jogador de futebol para se tornar um dos principais compradores de mídia do Facebook, sua experiência no setor de marketing online e suas ideias sobre como lançar e promover marcas de forma sustentável com o Facebook Ads.


Antecedentes de Nick

Nick nasceu e foi criado na Califórnia, EUA, e cresceu jogando futebol como goleiro. Aos 16 anos, ele passou a jogar futebol profissional no time LA Galaxy como goleiro substituto até perceber que não estava trazendo valor para ele. Neste momento, ele estava ganhando apenas US $30 000/ano como jogador substituto e sentiu que não poderia aumentar esse valor exponencialmente, a menos que estivesse sob um contrato fixo.

Durante seu tempo livre, ele ia para a universidade para estudar Copywriting Journalism. Ele fez um estágio em uma agência de marketing que lhe deu a oportunidade de trabalhar em uma agência de marketing que fazia marketing experiencial. Ele também começou a treinar crianças pequenas a jogar futebol, o que o ajudou a ganhar US $40 à US $50 extras por dia, além de seu salário no LA Galaxy.


Trabalhando na PepsiCo

Enquanto treinava as crianças, ele conheceu Rachel Bucky, que era uma das mães das crianças. Rachel era executiva de marketing de CPG na PepsiCo e ofereceu à ele uma posição para se juntar à equipe de marketing da Pepsi. Sua tarefa era ser a voz dos Millenials e fornecer pontos de vista e ideias de sua perspectiva. Este se tornou seu primeiro emprego em marketing e o expôs aos dólares de marketing de grandes marcas.

"Fui contratado como uma voz milenar da Pepsi porque havia principalmente homens e mulheres de 40 à 60 anos na equipe. Lembro-me de um dia sentar nessas reuniões com caras muito mais velhos e eles perguntarem: 'Como geramos mais receita? Eu estava tipo "Vamos fazer Facebook". Então, uma agência criativa entrou para fazer essa ideia e eles receberam um contrato com uma ativação de US $50 000 e deveriam lançar em 2 meses.", diz Nick.

Nick ficou chocado com o fato de alguns caras terem acabado de entrar e receberem facilmente US $50 000 apenas para experimentar sua ideia de promoção no Facebook. Foi isso que despertou seu interesse em aprender sobre Facebook Ads.

Mudando para a Publicidade no Facebook 

Nick declarou sua preocupação e necessidade de aprender o Facebook Ads para Rachel, que por sua vez o vinculou à sobrinha dela que guiou Nick através da compra de mídia do Facebook. Nick foi então contratado por uma agência de marketing em Los Angeles que era responsável por algumas das maiores marcas e empresas, incluindo Ford, Nissan e muitas outras.

Durante seu tempo lá, a agência conseguiu um contrato com a Apple e Nick foi colocado na equipe que deveria executar campanhas no Facebook promovendo o lançamento do iPhone 7, iPad Pro e iWatch.

Nick diz: "Foi um presente porque foi minha primeira introdução ao significado real dos dólares de marketing. Antes disso, eu sabia que um salário de US $40 000 à US $50 000 e estava morando na Califórnia em uma casa de classe média. Dando-te um orçamento, eles perguntam: "Ei, para quantas pessoas você gostaria de comercializar no Reino Unido?" Em seguida, verificamos o total de impressões que serão necessárias e o custo e, em seguida, eles dizem: "Aqui estão seus milhões de dólares para brincar." Isso quebrou todos os limites para mim."


Executando as Campanhas da Apple no Facebook

Entre 2016 e 2017, o CEO da Apple, Tim Cook, teve a ideia de levar seu marketing para os canais digitais antes que seu concorrente Samsung o alcançasse. A equipe de Nick recebeu a tarefa de veicular Facebook ads globalmente para promover os principais produtos da Apple na época, que eram o iPhone 7, o Ipad Pro e o iWatch. Sua equipe recebeu um orçamento de mais de US $100 000 000 para as campanhas.

De US$ 217/mês Para US$ 2.836/mês em 9 Meses: Como James Ackerman Cresceu e Vendeu Seu Site de Conteúdo Gerado por IA por US$ 59.000

A equipe dividiu o trabalho em regiões como América do Norte, América do Sul, Europa, Ásia-Pacífico, CIS e muito mais. O orçamento foi dividido e implantado de acordo com o número total de impressões que eles poderiam receber de cada região. O objetivo era garantir que cada usuário do Facebook visse seus anúncios pelo menos 2x ou 3x. Os membros da equipe escolheram regiões para executar campanhas e receberam o dinheiro para comprá-las.

Nick diz: "Isso destruiu todo o meu entendimento sobre orçamentos e o que podemos fazer. Quando você trabalha com muitas marcas que têm financiamento de capital de risco ou são negociadas publicamente, elas aparentemente têm bolsos fundos e, portanto, você não precisa pensar em obter um ROI. É como "Como vamos superar esse orçamento?", ou então não vou receber esse orçamento novamente para o próximo trimestre porque eles olham para mim e me dizem que não posso gastar esse dinheiro".

Eles tiveram que se livrar desse orçamento implantando-o em todos os lugares do Facebook.

Lições que Nick Aprendeu ao Executar Campanhas da Apple no Facebook

Nick diz que, neste momento, o Facebook estava apenas lançando seus anúncios no Feed de Notícias porque não havia outros espaços para anúncios como Instagram Stories, Facebook Stories e muitos outros.

Ele aprendeu que, se você estiver gastando o suficiente ou se o Facebook o considerar importante, eles lhe darão todos os recursos disponíveis. O Facebook oferece a API do gerenciador de anúncios e algumas ferramentas que você pode usar para otimizar para obter um melhor desempenho.

Nick diz: "Naquela época, o Facebook essencialmente vinha até nós e dizia 'Ei, no seu business manager, você pode ter acesso à esses públicos restritos. Como você é a Apple e tem tanto orçamento, você tem acesso à esses públicos." No BM normal, existem cerca de 10 públicos semelhantes, mas aqui recebemos até 20 públicos que outras pessoas não podiam tocar. Isso foi antes das restrições de dados que temos hoje. Públicos-alvo que incluíam renda, raças e muito mais. Imagine o que significaria ter uma combinação de targeting de renda, raça e geolocalização se você estiver exibindo anúncios de crédito. Você poderia fazer algumas coisas perigosas."


Afastando-se da Apple

Nick se afastou da Apple porque no final das contas isso o mantinha frustrado porque havia desrespeito à retornos e ROIs. Não houve campanhas além de pedir às pessoas que atualizassem seus telefones porque elas querem que as pessoas usem a coisa mais nova e comecem a eliminar gradualmente os modelos antigos. O objetivo principal era "Alcance" porque precisavam de olhos nos produtos. Foi tudo sob a iniciativa de Tim Cook de "We're going digital". e Nick e sua equipe faziam parte dessa tendência e foi por isso que ele saiu.

No entanto, essa mentalidade o levou ao sucesso que ele teve com os fidget spinners de resposta direta.

Popularizando os Fidget Spinners

Depois da Apple, Nick se aventurou em iniciar marcas de e-commerce Nick e seu parceiro iniciaram a marca Fidgetly que estava por trás da tendência de fidget spinner que tomou conta da internet. Com Fidgetly, Nick diz que eles atingiram uma receita de US $1 000 000 no segundo mês de negócios.

Nick diz que Fidgetly o ensinou que se você tiver o produto certo, na hora certa, com o posicionamento certo, você definitivamente vai vencer.

Segundo ele, ele diz que o ângulo que funcionou melhor para ele foi vender os fidget spinners para professores da escola que comprariam em massa. Foi uma tendência que ele notou antes e ele teve que se aprofundar mais para perguntar por que eles estavam fazendo isso. A maioria deles disse que eram professores de crianças com necessidades especiais e esses spinners estavam permitindo que as crianças ficassem calmas, e não  batessem em suas carteiras. Assim, as crianças se sentavam e giravam durante as aulas. Então Nick se concentrou na publicidade usando esse ângulo e recebeu vários pedidos em massa.

Ele também admite que havia outras lojas de dropshipping e e-commerce vendendo esses spinners, mas ele foi o primeiro a criar uma marca conhecida Fidgetly. Isso foi o que lhe deu uma vantagem contra a concorrência e o mercado percebeu que os fidget spinners Fidgetly eram mais valiosos e modernos.

O sucesso do fidget spinner não veio apenas diretamente, Nick e seu parceiro Jake tentaram uma loja de e-commerce vendendo hoverboards, mas acabaram perdendo $30 000. Os hoverboards eram muito pesados ​​para enviar e esquentavam e pegavam fogo. Isso matou seu negócio de hoverboards.

Os fidget spinners foram diferentes e trouxeram sucesso imediato desde o início. Eles eram fáceis de comercializar e fáceis de enviar porque eram pequenos e podiam até caber em envelopes e bolsos, ao contrário dos hoverboards.

"Assim que o Fidgetly tocou em um anúncio no Facebook, começamos a ver uma conversão por US $2 em gastos com anúncios. Liguei para Jake e disse: "Você precisa obter o maior número possível, porque não há como isso ser real". estávamos olhando para os números como se fosse uma compra de US $25 em uma conversão de US $2. Tudo o que tínhamos eram basicamente três anúncios, tínhamos um ângulo falando com os professores que faziam compras em massa, tínhamos um influenciador na época que era um cara musculoso que tinha muitos seguidores, ele fez um agachamento na parede enquanto girava, e tivemos uma equipe profissional Fidgetly de crianças jogando e fazendo truques legais." explica Nick.

De Atleta Universitário a Proprietária de um Blog de Alimentos de 6 Dígitos: Como Addison LaBonte Expandiu Seu Negócio de Receitas Sem Glúten

Nick também tornou uma tendência em termos de quem pode coletá-los. Ele criou alguns dos Fidgetly(s) como edições limitadas colecionáveis e também fez colaborações com marcas. Ele fez isso por tempo suficiente antes que as pessoas entendessem que era uma tática de marketing.

A Vida Depois da Fidgetly

Depois que a tendência dos fidget spinners morreu, Nick entendeu que era bom em marketing, em vez de lidar com produtos. Então ele trabalhou com outros bons profissionais de marketing como Tim Burd e, finalmente, ele começou sua própria agência de marketing, Structured Social.

Na Structured Social, ele fez parceria com marcas que vendem vários produtos que se tornaram populares online. Ele teve muitas marcas que o procuraram para promover suas lojas de e-commerce ao lado de suas próprias lojas, que faturam milhões em receita por mês.

Nick diz: "Eu vendi cílios magnéticos — eu fiz alguns milhões em cílios magnéticos, lâmpadas de chama elétrica, escovas para cães, espelhos de maquiagem, limpadores de pincéis de maquiagem, clareamento dos dentes, máscaras faciais de carvão e assim por diante. Isso tudo. aconteceu porque na época você não tinha que comprar nada, você podia simplesmente fazer dropship e ganhar dinheiro sem se importar muito."

A razão pela qual Nick começou o Structured Social é que ele queria parar de vender produtos de dropshipping e se concentrar na venda de produtos de marca. Para ele, essa era a diferença entre ter um negócio sustentável que é replicável e um que ganha dinheiro rápido e morre, fazendo-o passar para a próxima.


Construindo o Structured Social

Nick construiu o Structured Social depois de perceber que poderíamos comercializar e liderar uma equipe. Atualmente, sua equipe tem mais de 50 pessoas e faturou quase US$ 16 000 000 no quarto trimestre do ano passado.

O Structured Social veicula anúncios para clientes e parceiros que vendem e enviam seus produtos internacionalmente.


Lições Aprendidas Depois de Gastar Mais de US $100 000 000 no Facebook Ads

Nick diz que a maior lição que aprendeu foi a confiança. A confiança foi o que lhe deu a capacidade e a crença de aceitar e assumir grandes orçamentos. Isso o ajudou a conhecer seus targets de campanha, entender seus números e todos os posicionamentos de anúncios.

No entanto, a base disso é ter um plano e um processo bem definidos abaixo. Planejamento adequado antes de colocar todas as campanhas ao vivo, ou mesmo antes de criar o conteúdo para os anúncios e o copywriting.

Isso é importante porque, uma vez que você entra no ar, você perde dinheiro direto, mas é o plano que você definiu que lhe mostrará para onde ir e corrigir para obter um retorno positivo.

Para ele, as campanhas são como ter um balde vazando. Uma vez que você começar a despejar água no balde furado sem entender onde está o buraco, você perderá a água até encontrar a área que está causando o vazamento. O mesmo para campanhas que você precisa planejar e ter maneiras de rastrear para identificar os vazamentos. Se algo não funcionar ou funcionar, você deve saber quando dobrar e quando recuar.

Conclusão

Nick Shackleford tem sido uma figura proeminente na indústria de marketing online nos últimos dois anos. Ele faz parte dos organizadores dos Geek Out Events e também falou em muitos eventos como Affiliate World, onde compartilha suas técnicas de marketing no Facebook que descobriu ao longo dos anos.

Algumas ideias únicas que ele compartilhou são que a cópia do anúncio é mais importante do que o criativo e que são os primeiros 5 segundos dos anúncios em vídeo que mais importam quando se trata de obter resultados, especialmente durante a prospecção de tráfego frio e fidelizá-los.

Para saber mais de Nick Shackleford, você pode conferir seu canal no Youtube e páginas sociais sob o nome de usuário Nick Shackleford ou @iamnickshackleford.

Transformando um Site de Conteúdo de Afiliado em uma Marca de Comércio Eletrônico: o Guia Definitivo para Dar o Salto
O que acha do artigo?